8 DICAS PARA AMENIZAR OS EFEITOS DA ALTITUDE

Quando estamos planejando uma viagem para destinos com grandes altitudes, é comum ficarmos receosos sobre os efeitos da altitude em nosso corpo. Este desconforto é chamado de soroche, também conhecido como mal de altitude, ou mal da montanha. Ele é gerado porque em altitudes elevadas o ar é mais rarefeito e pode ocasionar uma redução da quantidade de oxigênio no sangue. Para conseguir minimizar o mal de altitude, neste post você descobrirá como amenizar os efeitos da altitude em viagens.

Os sintomas começam a aparecer quando nos deslocamos rapidamente de um lugar baixo para outro com uma altitude muito elevada, acima dos 2.400 metros em relação ao nível do mar. De uma forma geral, o organismo vai se adaptando gradualmente, mas é comum sentir alguns efeitos. Fique de olho neste artigo para você evitar os sintomas, ou pelo menos reduzir o desconforto para curtir ao máximo seu destino nas alturas!

Principais sintomas dos efeitos da altitude

Como amenizar os efeitos da altitude

Os sintomas mais comuns dos efeitos da altitude são dores de cabeça, náusea, enjoo, tontura ou vertigens, perda de apetite, insônia, respiração curta, falta de ar e muito cansaço diante de esforços físicos e em alguns casos, dores de barriga e diarréia.

Isso não quer dizer que uma pessoa sentirá todos eles, pois os sintomas costumam variar e eles se manifestarão de acordo com o organismo de cada um. Alguns sentem mais dor de cabeça, outros mais enjoos e há aqueles que não sentem nada!

Mas como você não sabe como seu organismo vai reagir, é importante se prevenir para não passar mal durante uma viagem muito esperada.

Esses indícios que descrevi são considerados primários, mas não passam de um incômodo. Porém, em alguns casos mais graves (e bem mais raros), podem haver outros sintomas, como tosse seca persistente, expectoração de cor rosa, febre e falta de ar, mesmo quando em repouso.

Nessas situações, a dor de cabeça não cede, mesmo com o uso de analgésicos, a náusea é mais intensa e pode haver até mesmo perda da consciência.

Logo, se você sentir algum desses sinais mais graves ou os mais brandos não melhorem, é importante procurar ajuda médica, pois eles podem levar até mesmo ao óbito.

Dicas de como amenizar os efeitos da altitude

Como evitar o soroche

Os incômodos costumam passar logo nos primeiros dias, à medida que o organismo vai se acostumando ao novo ambiente, por isso se fala tanto em aclimatação. Mas é possível ajudar o nosso corpo a se acostumar para sentir menos essas decorrências.

Separamos algumas dicas de como minimizar os efeitos da altitude. Confira:

1) Evite muito esforço físico nos primeiros dias

Como se comportar em altitudes elevadas

Muita gente que viaja já quer desembarcar e explorar tudo que o destino oferece. Contudo, o mais aconselhável é descansar para o corpo ir se ambientando às novas condições.

Passeios com muito esforço físico ou em altitudes ainda mais elevadas devem ser deixados para o final da viagem. Pois, dessa forma, o organismo já está mais acostumado.

Se até os jogadores de futebol, quando vão jogar em cidades com grande altitude têm que se ambientar. Imagine quem não é atleta profissional e não tem um bom preparo físico?

2) Hidratacão

Dicas para passeios com altitude elevada

É muito importante estar sempre bem hidratado. Então, a dica é beber muita água e outros líquidos. Carregue sempre com você uma garrafinha de água. O clima em locais de grande altitude costuma ser bastante seco e você vai prevenir não só o soroche, como outros problemas ocasionados pela baixa ingestão de água.

3) Chá ou folha de coca

Chá de coca ameniza mesmo os efeitos da altitude

Já ouviu falar do chá de coca? Pois ele realmente funciona e é uma ótima alternativa para quem está sofrendo com a altitude. Ele pode ser feito tanto direto com a folha ou com sachês.

É muito fácil encontrá-lo em destinos de grandes altitudes, Outra forma de consumir a coca para amenizar os sintomas da altitude é mascar a folha.

Esse é um costume muito antigo dos povos andinos e é ótimo para aliviar a dor de cabeça e as náuseas. Se você tem alguma dúvida, nem a folha e nem o chá são alucinógenos ou ilegais, além de serem bastante comuns em países como Chile, Bolívia e Peru.

4) Alimente-se bem

Refeição ideal para lugares com altitude elevada

É importante sempre comer bem e optar por uma alimentação mais leve. As comidas muito pesadas dificultam a digestão e o organismo terá que gastar uma energia extra para fazer o processo digestivo.

Opte por comidas mais leves e abuse das frutas, verduras e legumes. Evite carnes vermelhas e alimentos muito gordurosos. Bebidas isotônicas também ajudam, por serem ricas em sais minerais. Uma dica é que alimentos ricos em potássio, como abacate, amendoim, banana, suco de laranja, cenoura crua e leite desnatado, são bons para a ambientação.

5) Evite fumar ou consumir bebidas alcoólicas

O que não fazer em lugares com altitude elevada

 

6) Bombinhas de oxigênio

Dicas para se dar bem em altitudes

Uma outra dica para quem está com muita falta de ar é carregar sempre bombinhas de oxigênio. Elas são encontradas em todas as farmácias e podem ser facilmente guardadas na bolsa ou mochila para transportá-las inclusive para os passeios e deslocamentos.

Mas atenção: consulte o seu médico antes de usar.

7) Remédios

Dicas de remédio para diminuir o mal da montanha

Para quem, mesmo seguindo essas dicas, passar mal com os efeitos da altitude, há alguns remédios que podem ser comprados em farmácia que amenizam os sintomas do soroche.

De uma forma geral, são indicados o Soroche Pills ou o Diamox. Porém, são indicados apenas para casos mais severos com orientação médica.

8) Respeite os limites do seu corpo

Como suportar altitudes

Essa talvez seja a principal dica desta lista. Respeite o limite do seu corpo! Muita gente quer aproveitar ao máximo a viagem e acaba fazendo muito esforço e passando mal.

Não é porque seu amigo conseguiu ou fez determinada atividade, que você também conseguirá fazer ou tem que fazer. Caso comece a sentir algum sintoma, pare, respire e avalie se é possível continuar, ou se não é melhor retornar.

Por Guilherme Tetamanti.

Mais postagens